Nosso Fórum

Seja bem vindo! Você é nosso Convidado (Para participar, criar tópicos e responder mensagens, por favor efetue o seu login.)
CSA COM 20 ANOS EM LONDRES, EXPERIÊNCIA QUE DEVEMOS APROVEITAR

A pesquisa empírica que realizo em CSAs de Londres e BH faz parte do projeto de doutorado intitulado "Empresas Sociais na Agricultura Urbana". Primeiro, estudei CSAs ao redor do mundo, depois produzi durante um ano para 35 famílias na RMBH e agora, além de estudar, sou voluntário nesta CSA de Londres. O objetivo desse projeto é facilitar a construção de um modelo produção/consumo que seja adequado para nossa cidade. Em outros termos, criar um espaço para que consumidores e produtores colham juntos alimentos limpos com preços justos para um número crescente de pessoas. Caso queira participar dessa construção pelo nosso Fórum, CLIQUE AQUI, favor não marcar o campo "afiliar".

Administrador 4 Replies, 360 Views.

QUE PROVEITO NÓS PODEMOS TIRAR DESSA EXPERIÊNCIA?

VALE A PENA SABER SOBRE ORGANIZAÇÃO, PLANEJAMENTO E DIVISÃO DO TRABALHO NESSA CSA

Estamos estudando uma CSA que deu certo em Londres. O principal método que estou utilizando é a observação participativa, por isso eu e Lorena voluntariamos em três hortas dessa CSA. No Brasil, trabalhamos de Domingo a Domingo na horta, mas as hortas daqui só funcionam uma vez por semana. Eles fazem uma espécie de mutirão e resolvem todos os problemas da produção em um único dia. Capinam, produzem o composto, fazem as mudas orgânicas, plantam e colhem. Por isso, nós podemos acompanhar toda a rotina de três hortas trabalhando um dia da semana em cada horta. Observo que no extremo verão o responsável dá uma passada adicional pela horta para molhar. As duas primeiras medem 300 m2 cada e a última 7.300 m2. Será que daria certo trabalhar dessa forma no Brasil? Isso reduziria o custo da Cesta?

As duas primeiras hortas estão na zona norte de Londres, próximo ao centro e em uma das áreas mais valorizadas da cidade. Elas produzem, predominantemente, verduras folhosas, mas têm também frutas como morango, maçã e pêra. Em ambas, a jornada de trabalho inicia às 10h00min e finaliza às 16h00min. Tem uma hora de intervalo para o almoço e o próprio trabalhador leva a sua comida. Na primeira, média de seis pessoas participam do mutirão e na segunda média de sete pessoas. A terceira horta é muito maior e está localizada na periferia da cidade, na grande Londres. O cidadão londrino diz que se trata de uma área pobre e as características do público local confirma. Acrescento, porém, que todas as casas e ruas da região são maravilhosas. A infra-estrutura do lugar não nos remete às periferias de nossa cidade. Nessa horta, o trabalho inicia ás 10h00min e finaliza às 15h00min. Além de folhosas e frutas eles também produzem legumes. Trabalham em média 14 pessoas por dia e a própria CSA oferece almoço para todos, na maioria das vezes sopa de vegetais.

Em geral, as pessoas ficam muito comprometidas com o trabalho o dia todo, eles cumprem o horário e só param na hora do almoço. Cada uma das hortas tem uma única pessoa que coordena o trabalho, uma espécie de gerente. Ele procura respeitar a aptidão e preferência dos trabalhadores, mas está muito claro para gente que não existe hierarquia entre as funções. Tanto a capina quanto o plantio ou colheita têm o mesmo peso em uma horta. Para surpresa de muitos, o único remunerado da horta é o gerente, remuneração simbólica. TODOS OS OUTROS SÃO VOLUNTÁRIOS. Para minha surpresa, não existe relação entre ser membro da CSA e ser voluntário. Dentre os 13 voluntários das duas primeiras hortas, apenas quatro são membros sendo que dois são regulares e dois esporádicos. Dentre os 14 voluntários da terceira horta, não há membros da CSA. Qual seria a chance disso acontecer no Brasil? Observo que existe rotatividade entre os voluntários, mas os gerentes são muito bem preparados. Eles alocam tarefas para cada um, independente do conhecimento prévio que se tem sobre produção.       

Minha experiência com horta, minhas leituras e o trabalho que eu e Lorena estamos fazendo aqui me permitem arriscar alguns palpites. As nossas hortas não nos permitem trabalhar uma única vez por semana, pois o clima é quente e o vegetal precisa ser aguado diariamente. Entretanto, poderemos ter uma única pessoa cuidando da horta todos os dias e, considerando o tamanho de nossas hortas, fazer dois mutirões semanais. Também não acredito que o cidadão comum queira voluntariar em nossas hortas aí, mas podemos tornar o dia de plantar produtivo. Basta que o Coprodutor doe um dia de trabalho por mês para horta. Como o número de Coprodutores é grande, conseguiremos fazer dois mutirões semanais tranqüilo. Com certeza o custo de produção reduzirá e o consumidor participará de fato da produção de seu alimento e da gestão do negócio. Caso o Coprodutor não possa doar um dia por mês, basta que ele providencie um substituto. Veja as fotos relativas ao trabalho nas hortas da CSA de Londres. CLIQUE AQUI.

Administrador Latest update 2017-10-08 16:26:59

QUE PROVEITO NÓS PODEMOS TIRAR DESSA EXPERIÊNCIA?

VALE A PENA SABER QUAIS SÃO AS PRAGAS E COMO SÃO COMBATIDAS NAS HORTAS DESSA CSA

 

Estamos estudando em Londres um modelo de CSA que deu certo. Assim como nossos produtores, os horticultores daqui também enfrentam muitos contratempos. Em princípio, eles não conseguem produzir nos meses de Dezembro e Janeiro, pois o inverno é extremamente rigoroso nesse período. Além do clima, a água também é bastante racionada, pois se trata de um bem raro e caro por aqui. Em geral as plantas são molhadas uma vez por semana com mangueiras porosas, ou seja, nada de esguichos. Quando vão plantar, nada de encharcar todo o canteiro. Molham apenas as covas onde vão inserir as mudas. Todas as mudas são produzidas na própria horta com sementes orgânicas. Como eu já disse no último texto, todos são certificados.

Na última semana eu e Ló os ajudamos a produzir mudas específicas para o inverno. Estou me referindo às folhas que vamos colher até o final de Novembro. Parte da produção para o próximo ano, principalmente o morango, já está sendo viabilizada agora, pois, a 15 dias produzimos muitas mudas a partir dos morangueiros antigos. As mudas vão crescer até Dezembro, hibernar e depois florescer para a colheita de Abril. Outra precaução importante nesse período é cobrir toda a horta, exceto canteiros, com pequenos gravetos. A função da madeira no solo é inibir o crescimento do mato. Aqui tem muita erva daninha, às vezes espinhosa, que deve ser cuidadosamente retirada com toda a raiz, pois elas impedem que os vegetais prosperem.

Mas, esses não são os principais problemas que os produtores daqui enfrentam. Eles também lidam com os famosos pulgões, ou semelhantes, que destroem as nossas couves aí. Aqui, também tem aqueles mosquitinhos invisíveis que perfuram todas as nossas folhas de Mostarda e Acelga. Além disso, são milhares de caramujos e lesmas. Esses destroem toda a plantação se não forem devidamente combatidos. Como se não bastasse, eles têm as pombas, os esquilos e, principalmente as raposas. Esses últimos, por serem grandes, são capazes de acabar com uma horta em poucas horas. Absolutamente nada de veneno ou maus tratos no combate às pragas, no máximo, esmagam caramujos. Eles acreditam que existe espaço para todos.

Pelo que observamos, assim como nós, eles também perdem aproximadamente 30% do plantio. Como diz um dos nossos produtores: “uma parte nós plantamos é para os bichos mesmo”. Na área da horta, mesmo sendo pequena, eles separam áreas para os bichos. Em geral, colocam nessas áreas plantas que os bichos gostam. Por exemplo, em uma das hortas tem uma parte destinada às frutas tais como maçã e pêra. O horticultor não se importa com os caramujos nessa área, mas esmaga aqueles que passam para o lado das folhas. Observo que os caramujos comem 30% das maçãs. Na horta maior, o produtor deixa mais de 300 m2 para os bichos. Todas as hortas produzem o seu próprio composto, 100% origem vegetal. Nada de Gado!

Para combater as pragas, eles usam muitas estratégias, pois, cada bicho tem uma preferência diferente e o produtor a conhece. Para combater pombas e raposas, eles usam tela galinheiro sobre o canteiro. Para combater esquilos, eles usam telas plásticas de malha fina. Para combater lesmas, eles reaproveitam pets e para pulgões, eles plantam uma flor amarela nas extremidades dos canteiros. Observamos que a flor atrai os bichos. Por fim, para combater os mosquitinhos do verão, eles usam uma tela semelhante ao sombrite, porém, clara. Nós fotografamos todos os procedimentos. Vejam as fotos relacionadas a esse texto que selecionamos para vocês. CLIQUE AQUI.


Administrador Latest update 2017-09-26 16:43:07

QUE PROVEITO NÓS PODEMOS TIRAR DESSA EXPERIÊNCIA?

VALE À PENA CONHECER A RETROSPECTIVA HISTÓRICA DA CSA DE LONDRES

 

Estamos estudando em Londres um modelo de CSA que deu certo. Veja o crescimento dessa empresa social em 20 anos de atuação.

- Dados anuais em 1996, primeiro ano de funcionamento:

- Grupo de trabalho: pequeno grupo de mulheres voluntárias;

- Número de Cestas: 50 por semana;

- Local da distribuição: garagem da casa de uma voluntária;

- Participou de um programa de Start-up com 10 outras empresas em 2009;

- Dados anuais em 2016, vigésimo ano de funcionamento:

- Grupo de trabalho: 57 remunerados, 42 estagiários, mais de 50 voluntários,

- Número de Cestas: mais de 1.000 semanais;

- Local de distribuição: 14 pontos na região cento norte de Londres;

- Volume distribuído no ano: 20 toneladas;

 

A sua base para produção está na capital, entretanto a empresa conta com parceiros. Ela própria administra 10 áreas produtivas e tem 50 parceiros externos. Todos os produtores são certificados. Veja a estrutura produtiva.

- Estrutura produtiva atual

            - CSA Londres. Patchwork farm: 9 lotes

- Área central de Londres;

- Tamanho dos terrenos (m2): Min. 150, média 200, Max. 400

            - CSA Londres. Dagenham Farm

                        - Periferia de Londres;

                        - Tamanho do terreno: 7.360 m2;

            - Fazendas parceiras: 50

                        - Fora de Londres: média 100 km;

                        - Tamanho do terreno: média 5 alqueires; 

CLIQUE AQUI PARA VER AS FOTOS DA CSA DE LONDRES.



Administrador Latest update 2017-09-09 10:04:54

Muito bom Vander. Conte comigo no que for preciso e estiver ao meu alcance.

Julio Latest update 2017-08-17 07:33:28
Atenção!
Deseja apagar esta mensagem?
OK
Cancelar